segunda-feira, 17 de julho de 2017

COMENTÁRIOS E CRÍTICAS AO JULGAMENTO DE LULA

UMA VISÃO JURÍDICA ABALIZADA - PASSO À PASSO.

professor da FGV Direito Rio Thiago Bottino destaca que o juiz "não poderia fazer considerações que não fossem estritamente jurídicas". Salah H. Khaled Jr., professor da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Rio Grande (FURG), ressalta que a sentença "soa como mera conjectura", e que "uma condenação não admite ilações". O professor de Direito Penal e Processual Penal, Fernando Hideo Lacerda, acrescenta que "não há prova para condenação pelo crime de corrupção e não há sequer embasamento jurídico para condenação pelo crime de lavagem de dinheiro".

"Se a dúvida permanece, a presunção de inocência do acusado deve prevalecer"
O professor Salah acrescenta que a "sentença não trouxe novidades". "Era previsível que Moro condenaria Lula, mas tudo ainda soa como mera conjectura. Uma condenação não admite ilações. O lastro probatório da narrativa condenatória não deve deixar margem para dúvida. Se a dúvida permanece, a presunção de inocência do acusado deve prevalecer. Penso que não há elementos suficientes para a condenação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processo em questão." 

Sobre a consideração da palavra de delatores, Salah questiona: "Por que confiar na palavra de um delator? Ele é obrigado a dizer o que os negociadores querem ouvir. Se nada tem a dizer, obviamente não tem com o que negociar e, logo, é preciso inventar."
(continua na próxima semana).

sexta-feira, 7 de julho de 2017

O SORRISO DE VOLTAIRE

Em 2008, Fernando Eichenberg, escreveu para a Revista "Aventuras Na HISTÓRIA, Edição 55, uma matéria, cujo título se encontra acima, discorrendo sobre um dos maiores filósofos da humanidade, com o qual muito aprendi, merecendo uma reprodução de alguns destaques.

"Inimigo mortal da intolerância, o irreverente filósofo francês ressurge numa biografia que mostra como ele foi capaz de usar a opinião pública contra as injustiças da velha França.
Vitor Hugo, o consagrado escritor da obra prima "OS MISERÁVEIS", na comemoração do centenário de morte do filósofo, em 1878, declarou, diante da plateia reunida no Théâtre de La Gaîté, em Paris: "Hoje, há 100 anos, um homem morria. Ele morria imortal". considerado pai-fundador da Revolução Francesa, apóstolo da tolerância, crítico do fanatismo religioso e defensor dos oprimidos." Voltaire ao nascer, teve a vida por ameaçada pela fragilidade física, dando-lhe, os médicos, uma semana de vida, mas, a sua luta teria que lhe conceder longo tempo, o suficiente para legar à humanidade sapiência para os que seguiram os seus ensinamentos e exemplo para toda a humanidade, de como se deve pensar e agir diante de uma sociedade, muitas vezes, surda e idiotizada. Voltaire, iniciou sua vida literária, como poeta, mas, alguns versos satíricos, rendeu-lhe 11 meses de prisão na Bastilha. Após a sua libertação, obteve o perdão real e foi recebido por Philippe d'Orleans, regente, responsável pela sua detenção. Como prova de sinceridade, o nobre lhe propôs o pagamento de uma pensão alimentr. Na resposta, a lingua ferina de Voltaire não se conteve: "Eu agradeço Vossa Alteza por querer encarregar de minha alimentação, mas eu vos suplico de não se encarregar mais de minha moradia". Essa atitude irreverente acompanharia o filósofo em todos os seus embates - fossem eles pessoais ou universais".
"Escritor brilhante, Voltaire nasceu quase morto, mas morreu como imortal".

É o que ocorre com os que pensam, buscam a sapiência e legam o exemplo da dignidade de viver sem mácula e sem remorso, porque deu a sua contribuição pra melhorar a espécie humana.
Este é o papel do filósofo: estar a serviço da razão, da verdade e dos direitos humanos.

Em 07 de julho de 2017.

Milton Britto.
 
 

quinta-feira, 6 de julho de 2017

quinta-feira, 29 de junho de 2017

JORNAL DO MUNDO -

O JORNAL DO MUNDO

Noticias:

Londres, 31 de dezembro de 1601.
A Lei dos Pobres

A assistência aos indigentes, questão que constitui um grave problema na Inglaterra, desde a supressão dos Mosteiros, foi mais uma vez o objeto da atenção dos legisladores.
A nova “Lei dos Pobres”, afirma expressamente o dever que têm as paróquias de socorrer seus indigentes.
Ela ordena que inspetores dos pobres nomeados pelos Juízes de Paz, recebam em cada paróquia uma taxa destinada a socorrer os indigentes. Estes inspetores serão igualmente encarregados de encontrar trabalho para os indigentes fisicamente aptos, de procurar casas para os indigentes e de arranjar aprendizados para as crianças.

(Publicado no Jornal do Mundo, na pág. 139).  

segunda-feira, 22 de maio de 2017

MINHA CAMINHADA

                        

Venho de um lugar
Não muito distante,
Onde existiam flores,
Pássaros sonoros
E gazelas coloridas,
De mato verde,
Por onde caminhavam homens,
Mulheres e crianças,
Sem susto e sem medo,
Tangendo ovelhas e cabras,
Porque o dia era claro
E a noite enluarada,
Com estrelas brilhantes,
Como pingos de luz,
No firmamento infinito,
Sem astrologia, sem questionamento,
Porque bastavam as explicações bíblicas,
Com origens divinas,
E assim bastava.

Venho de caminhadas firmes,
De cabeça erguida,
Por onde a vergonha não se envergonha
De ser honesta,
Para esconder suas razões,
Seus gestos e sua conduta,
Porque não há o que esconder
E não há do que se envergonhar.

Venho de jardins de flores coloridas,
De amores perdidos,
Que inspirou o luso
Em Amores de Perdição,
Que não passaram pelo inferno dantesco,
Nem pelo inverso travesso
Dos descompromissados
Com a liberdade de ir e vir,
Com sorrisos largos,
Sem choro e nem vela,
Mas com uma fita amarela
Inscrita com o nome dela,
Da amada de muitas poesias,
Sambas e canções
De uma noite de verão.

Venho da praça do povo,
Com as manifestações,
Pacíficas e alegres
Como se estivesse em festa
De irmandades platônicas,
Sem compromisso com a religiosidade,
Porque a fé emana do ser pelo ser,
Sem misticismo, sem temor,
Porque os deuses se despiram
Da subordinação temente,
Pregada pelos falsos profetas,
Que se locupletam em dízimos
Obrigatórios para a pregação da fé.

A minha praça
É a das retretas, dos dobrados,
Tocados por filarmônicas
Formadas de instrumentos vários,
Harmonizados em notas naturais,
Sustenidos, bemol e semitons,
De beleza inconteste,
Permitindo aos homens e mulheres
Se perderem e se encontrarem
Em abraços amorosos
E de amizades platônicas,
Que não se misturam
Com a falsidade e os interesses
Financeiros e econômicos
Dos pragmáticos senhores e senhoras.

Venho de um silêncio consentido,
Porque tinha-se mais que ouvir
Do que falar.
Venho de outras eras,
Das moneras
E entranhas amorosas,
Por onde passeiam os poetas,
Em versos rimados ou sem rimas,
Mas que expressam os sentimentos
Doridos de almas apaixonadas,
Em suas imaginações,
De sonhos sonhados
E versificados para a eternidade.

Venho de canções melodiosas
Cantadas pelas madrugadas,
Com os cabelos orvalhados,
De mãos limpas
A segurar o pinho sonoro,
Aviolado de cordas vibrantes,
Dedilhadas, para a canção,
Cantada, para os ouvidos
Adormecidos da donzela
Que ressurge em sua alcova,
De cetim, com os cabelos alvoroçados,
Mas, belos, negros, aveludados,
Para a carícia ou o cafuné.
Venho... E vou indo – para o nada.

Feira de Santana, 10 de setembro de 2016.